Advocacia disruptiva norteada por propósito e valores bem definidos

A advocacia disruptiva é um modelo de exercício da profissão que rompe com o tradicionalismo e se insere num versão modernizada da advocacia, voltada para valores, propósitos e inovação.

O empreendedorismo jurídico faz parte da minha vida desde sempre. Saí da faculdade empreendendo e sigo nesta jornada desde então. Recordo-me de, que no início da minha carreira na advocacia, as pessoas “me olhavam torto” quando eu dizia que via meu escritório como uma empresa. E agora, nunca esteve tão em alta falar sobre esse tema.

O empreendedorismo jurídico está na moda. E não poderia ser diferente… nunca foi tão “fácil” fazer as coisas.

Antes, para ter um “conteúdo televisivo” era necessário estar num estúdio, ter profissionais de edição, uma rede de transmissão… hoje basta um celular e internet. Pronto! Você pode produzir o conteúdo e compartilhá-lo com o mundo!

Agora: com tanta gente fazendo tanta coisa o tempo inteiro acredito muito no poder do propósito das instituições para a diferenciação e manutenção das mesmas no mercado. Com a advocacia não é diferente.

1. O que faz um advogado empreendedor

Um advogado empreendedor deve analisar diversos aspectos para saber se a sua ideia é viável ou não, para daí tomar a decisão de seguir em frente com o seu modelo de negócio.

A primeira pergunta que terá de se fazer é: por que meu escritório de advocacia terá sucesso???



Se você já está empreendendo na advocacia, vale fazer a mesma pergunta para uma ideia nova, um serviço novo ou até mesmo para o modelo de negócio que você optou por seguir.

É importante ter em mente que todo negócio visa atender uma necessidade, e que uma ideia não vale nada se alguém não estiver disposto a pagar por ela. Como já disse Thomas Edson: “O que não se pode vender, eu não quero nem inventar”.

Partindo desta premissa, é bom que a sua ideia seja validada para que você não perca tempo conjecturando acerca de sonhos inviáveis que te farão gastar energia em vão, e que depois de um tempo lhe frustarão.

Daí vem um grande desafio: juntar razão e emoção para que sua jornada valha a pena e realmente te faça feliz.

advocacia disruptiva

2. Qual o seu propósito e os seus valores

Vamos parar por uns minutinhos, então, e fazer um exercício bastante simples porém cheio de significado? Vamos repensar, desse modo, o papel da advocacia na sua vida.

Pegue um espaço para anotações e responda de forma muito intuitiva e emocional o motivo que lhe faz acreditar que seu escritório, sua ideia, sua carreira terão sucesso. O que eu espero aqui é que você se recorde do principal motivo que lhe fez matricular na faculdade de direito. Vamos entrar, assim, em contato com nosso propósito.

Você verá que, por mais que pareça uma discussão um pouco abstrata, é uma reflexão fundamental para este momento. Digo “este momento”sem se quer te conhecer, pois este tipo de auto-análise é imprescindível para qualquer profissional, em qualquer momento da sua carreira.

O que estamos fazendo aqui é identificar nosso propósito. Ou seja: qual é aquela vontade imensa que sentimos de realizar/alcançar algo.

A pergunta que não quer calar: como faço para definir o meu propósito? Eis aqui uma questão que somente você, com suas reflexões é quem poderá responder.

Nem eu nem ninguém poderemos lhe entregar uma resposta a esse respeito. É uma questão muito íntima e subjetiva, com a qual cada um tem seu próprio jeito de lidar. Cada um acaba reconhecendo seu propósito de uma maneira. Às vezes o propósito surge por eliminação – após nos envolvermos em uma série de atividades, das quais nos desfazemos por dezenas de motivos, enfim o descobrimos; outras vezes, já temos a certeza desde a mais tenra idade; às vezes, por fim, o propósito surge por inspiração de alguém que você admira.

Por que não!?

3. O seu trabalho faz sentido para você?

Naquele mesmo espaço para anotações que você pegou para anotar o motivo que lhe faz acreditar que seu escritório terá sucesso – responda as seguintes perguntas: Eu sou feliz com o que eu faço? Vale a pena continuar trabalhando no que eu trabalho? Qual o propósito de dedicar pelo menos um terço – geralmente muito mais – da minha vida a essa atividade? Minhas atividades fazem sentido para que? Para quem? Por que?

Desde já lhe adianto que responder a essas perguntas dificilmente será confortável. Por isso mesmo dedique-se a respondê-las. Reserve algumas horas do seu dia. Esteja disposto a mudar a direção da sua vida se as suas respostas te conduzirem a isso.

Se, entretanto, depois de fazer essas reflexões, ainda restar a convicção de que será através da advocacia que você irá atingir ao seu propósito de vida, parabéns!

Eu realmente te parabenizo pois é somente ao descobrir o seu propósito que você poderá realmente oferecer algo ao mercado, diferenciando-se daqueles que apenas querem alguma coisa dele. Agora você está prestes a ficar frente a frente com a sua proposta de valor.

4. Advocacia de propósito: uma passo para a disruptura do Direito

Proposta de valor é o conjunto de vantagens que o seu serviço jurídico oferecerá aos seus clientes. Ela descreverá os seus diferenciais em relação aos seus concorrentes.

Essa proposta de valor vai determinar os motivos pelos quais os clientes escolhem a você e não a qualquer outro advogado do planeta.

Tendo clareza na sua proposta de valor você transmitirá confiança naquilo que oferece. E para chegar à sua proposta de valor, terá de (re) visitar seus propósitos.

Se algum cliente não quiser lhe contratar, sem problema; outro há de querer. Você estará de acordo com seus propósitos e aí sim a prosperidade financeira será mera consequência destes valores inatingíveis que você oferece.

A ideia de uma advocacia de propósito é disruptiva. Está ligada a uma mudança de significado dos escritórios de advocacia que precisam substituir o modelo tradicional focado no TER por um novo modelo focado no SER.

A advocacia de propósito, enfim, tem a ver com perceber o que toca o seu coração e o que você quer deixar de legado para o mundo.

Não deixe de dedicar um tempinho para responder às perguntas de propósito supra sugeridas. Seja sincero com você e leal à sua história. Feche os olhos e se projete no futuro. Você gosta do que vê? Sente orgulho do que vai poder contar?

Te desejo coragem e boa sorte!

Seguimos juntos por um mundo juridicamente mais feliz! Até o próximo artigo.

Quer ficar por dentro de tudo sobre a Advocacia? Faça seu cadastro e receba os materiais do SAJ ADV em seu email.

2 Comentários

    1. Avatar

      Bom,
      Propósitos e valores bem definidos, são de facto um fundamento sobre o qual, um negócio bem concebido pode prosperar. Mas existem outros aspectos a serem considerados, penso que são de carácter pessoal, pois no Mercado podemos sempre nos adaptar.

      Votos de excelente trabalho.

      Rodrigues Bia
      Advogado (Moçambique)

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *