4 grandes erros de advogados empreendedores iniciantes

Tempo de leitura: 6 minutos

Em janeiro de 2018 existiam exatos 1.061.227 advogados cadastrados no site da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB): 6% têm até 25 anos e 46,94% estão na faixa etária entre 26 e 40 anos, o que significa que mais da metade dos advogados brasileiros são considerados jovens. Além disso, o país contava, na mesma época, com 1.266 cursos de direito registrados no Ministério da Educação que formam cerca de 100 mil bacharéis de direito por ano e apenas 30 mil costumam passar no exame da ordem. Diante do grande número de profissionais do direito surge a necessidade de se destacar no mercado. Alguns desses profissionais se dedicam ao serviço público, outros tornam-se advogados empreendedores, seja como sócio de um escritório ou ainda na carreira de advogado individual.

Mas como bem sabemos, empreender no Brasil tem seus desafios particulares. Apesar de estarmos entre os 30 melhores países para empreender, ainda estamos atrás de países como a ditatorial Arábia Saudita. Grande parte desses problemas se dá pela dificuldade em se abrir empresas no Brasil, resultado da grande carga tributária e da excessiva burocracia nos processos documentais.

Advogados empreendedores e o novo modelo de escritórios

No livro A era do business o especialista e consultor em Marketing Jurídico, Ari Lima, fornece dicas para os advogados que pretendem tornar seus escritórios de advocacia referência no mercado jurídico. Ele ensina os advogados empreendedores a pensarem em um plano de marketing, a utilizar a internet como aliada do escritório de advocacia, a investir em gestão e também aponta os principais erros de quem está começado. Confira quatro deles, abaixo, buscando sempre fazer um paralelo com suas experiências:

Não investir em novas tecnologias

A sociedade evoluiu, o advogado precisa evoluir também. Hoje antes de realizar uma compra, pesquisar um curso de idiomas, resolver um problema de saúde ou jurídico, é comum gastar horas na internet procurando uma solução. Diante desse quadro os advogados empreendedores devem se adaptar à nova realidade e buscar formas de ser encontrado nos buscadores, seja investindo em um site ou em redes sociais, sempre respeitando o que determina o Código de Ética e Disciplina da OAB quanto à publicidade.

O profissional deve considerar que seus clientes estarão cada vez mais conectados com as novas mídias e estar presente nelas é um fator decisivo para contratação de seus serviços. Um exemplo disso é que você pode realizar teleconferências para falar com seu cliente ao invés de gastar tempo no trânsito ou procurando vaga de estacionamento. Além disso, existem ferramentas que permitem que os advogados conversem com seus clientes com os mesmos recursos de um reunião presencial apenas com um computador ligado à internet.



banner software jurídico

Não investir em um software de gestão

No processo de modernização dos escritórios de advocacia também é recomendável contratar o serviço de um software de gestão que possibilite a integração do setor financeiro, administrativo e de produção de processos. O software jurídico SAJ ADV, por exemplo, opera na nuvem e pode ser acessado de qualquer lugar, permite registrar e acompanhar os processos, gerenciar as tarefas e os compromissos, controlar as receitas e as despesas e, ainda, disponibiliza um buscador interno para o seu escritório.

Não elaborar um plano de Marketing

No livro A era do Business o autor Ari Lima conta que a maioria dos escritórios de advocacia que o procuram para consultoria não tem informações sobre os melhores ramos de atuação, oportunidades de mercado e quais são as áreas não atendidas na região do escritório. Os advogados empreendedores iniciantes também não costumam buscar dados sobre seus principais concorrentes, qual perfil social e econômico de seu cliente ideal e não possuem diferenciação, já que atuam em várias áreas da advocacia, sem um foco ou diferencial significativo. Ari Lima lembra que todas essas questões podem ser resolvidas com um plano de marketing jurídico, pois ao profissionalizar os escritórios os advogados empreendedores aumentam a sua competitividade no mercado.

O autor lembra ainda da importância de adequar o plano de marketing jurídico ao código de ética da OAB, pois segundo ele, é possível aplicar algumas ferramentas do marketing no setor jurídico, como por exemplo, a troca de correspondência, criação de networking e a utilização de ferramentas na internet. Para Ari Lima, marketing é mais que publicidade, é também uma forma de se relacionar melhor com os clientes, desenvolver competências de produtos e serviços com o objetivo de servir melhor aos clientes e encantar as pessoas.

advogados empreendedores

Não investir em relacionamento

O que os grandes escritórios de advocacia têm em comum? A maioria deles sabe manter contato com seus clientes. No capítulo sobre fidelização de clientes, Ari Lima diz que os advogados empreendedores iniciantes até reconhecem a necessidade do bom relacionamento com seus clientes, mas acabam reclamando de falta de tempo para investir em comunicação de forma mais assertiva. Para ele o sistema de relacionamento com os clientes é feito em quatro etapas:

  1. a primeira se refere a criação do cadastro dos clientes, os já atendidos, os que mantém contatos, as empresas e profissionais parceiros e, ainda, o cadastro da sua rede de relacionamento. Isso pode ser facilmente resolvido com a contratação de um software jurídico que possui um módulo de atendimentos, tanto para atendimentos de processos contenciosos, quanto para consultivos;
  2. o segundo passo define qual serão os canais de comunicação: e-mail, telefone, newsletter, mala direta, redes sociais, entre outros…
  3. já o terceiro define o cronograma de contato, com datas de envios de materiais, follow ups e demais ações;
  4. o quarto trata da incorporação das etapas anteriores no dia a dia do escritório de advocacia e passar a todos os colcaboradores a importência dessas ações. Com eles engajados tudo fica mais fácil;

A sua gestão está preparada para não cometer os mesmos erros dos advogados empreendedores iniciantes? Nos conte a experiência do seu escritório nos comentários abaixo, em nossas redes sociais ou mande um email para contato@sajadv.com.br. Seu relato pode ser muito parecido com o que alguém está passando hoje e servirá de aprendizado. O compartilhamento de conteúdo é sempre saudável e deve ser sempre estimulado.

Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre advogados empreendedores? Faça seu cadastro no SAJ ADV – Software Jurídico e receba nossos materiais exclusivos diretamente em seu email.

5 Comentários

  1. Avatar

    Eu amei esse site,tô com muitas dificuldades abri um escritório depois de 8 anos de atividade, tenho clientes, mas preciso me profissionalizar ter uma estrutura organizacional enfim ser um escritório modelo. Me ajudem

    Responder
  2. Avatar

    Bom dia, parabéns pelo blog!!!
    Sou estudante de direito e procuro alguém recem formado para usar do meu escritório já pronto (sem custo). Sou residente de Blumenau SC. Meu e-mail sergio@viplimpeza.com.br

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *