Telma Freitas Telma Freitas

Advogada, inscrita na OAB/GO nº 44.447, atua especialmente nas áreas Cível, Empresarial, Família, Consumidor, Trabalhista, Previdenciário, Adm. Judicial de Empresas em Recuperação Judicial, Assessoria e Consultoria Jurídica, Advocacia Colaborativa; Pós graduanda em Direito Empresarial e advocacia empresarial; Instrutora em Mediação e Conciliação Judicial e Extrajudicial certificada pelo Conselho Nacional de Justiça-CNJ e Tribunal de Justiça do Estado de Goiás; Mediadora Judicial atuante no TJGO e Mediadora Extrajudicial atuante; Coordenadora Pedagógica do IHM – Instituto Helena Melazzo; Atual Coordenadora Pedagógica e Responsável Técnica da Instituição de Ensino A FORTIORI ENSINO E CÂMARA DE MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO, denominado “Instituto A Fortiori”.

A autonomia da vontade das partes e o acordo produzido na mediação

A autonomia da vontade das partes e o acordo produzido na mediação

12 minutos Autonomia da vontade na mediação Inicialmente, cumpre discorrer sobre a autonomia da vontade das partes. Segundo esse princípio, as partes têm livre autonomia para juntas, na audiência preliminar (de mediação ou conciliação), encontrarem as melhores alternativas para resolverem suas questões. E isto poderá ser com auxílio de seus advogados ou não, porque basta que os envolvidos sejam maiores e capazes para que suas convicções tenham validade absoluta. E assim, para que se gerem direitos e obrigações perante o judiciário e toda a Continue lendo

Como a atenção mútua do mediador proporciona qualidade à mediação

Como a atenção mútua do mediador proporciona qualidade à mediação

10 minutos Como aumentar a qualidade da mediação com dicas de atenção mútua Inicialmente cumpre-nos diferenciar, ainda que de forma superficial, ouvir e escutar. Embora usualmente utilizados como sinônimos, apresentam diferença. Essas diferenciações podem impactar as formas de mediação. Afinal, é preciso que o mediador judicial, antes de tudo, ouça e e escute as partes. Desse modo, conseguirá auxiliá-las na resolução de um conflito. Contudo, como se verá adiante, também esses conceitos são vislumbrados sob perspectivas diversas. De forma simplória, entendemos que ouvir está Continue lendo

Rapport: como a aplicação da técnica pode ser efetiva para a mediação

Rapport: como a aplicação da técnica pode ser efetiva para a mediação

10 minutos O rapport é uma técnica utilizada para fazer uma conexão com o outro. Trata-se de intencional adoção de comportamentos que aproximam a pessoa das práticas de vivência de outra. Por meio do rapport é possível adentrar ao mundo do outro pelo simples comportamento semelhante dela. É o que acontece quando se frequenta os mesmos lugares, quando se ouve as mesmas músicas, quando se usa vestimentas parecidas ou tem a mesma linguagem, com o uso de gírias ou sotaques, por exemplo. É, portanto, Continue lendo

Mediador judicial: a formação e as habilidades que ele deve apresentar

Mediador judicial: a formação e as habilidades que ele deve apresentar

7 minutos Em razão do crescimento acelerado do uso de métodos apropriados de resolução de conflitos nos últimos 30 anos no Brasil, houve significativa evolução na área de mediação e conciliação no âmbito do Poder Judiciário e também no formato extrajudicial. Assim, as políticas públicas estabelecem, em linhas gerais, que as principais atribuições do mediador consistem em desenvolver campo de comunicação. É por meio dele que os interessados podem buscar o entendimento esperado e resolver seus conflitos de forma adequada. Dessa forma, fica estabelecido Continue lendo

Mediação e constelação familiar sistêmica na resolução de conflitos

Mediação e constelação familiar sistêmica na resolução de conflitos

9 minutos Constelação familiar sistêmica e mediação, um novo olhar sobre a resolução dos conflitos O processo de inserção da mediação no ordenamento jurídico, através de medidas formais, inicia-se já em 2010. Consoante resta sabido, no ano de 2010, o Conselho Nacional de Justiça criou a Resolução CNJ n. 125/2010. A fim de estabelecer um tratamento adequado para resolução de conflitos de forma não litigiosa, ela instituiu, assim, a Política Pública Nacional no âmbito do Judiciário. Passados cinco anos, a solução consensual de conflitos Continue lendo

Mediação e conciliação: 15 situações sociais em que elas podem ocorrer

Mediação e conciliação: 15 situações sociais em que elas podem ocorrer

12 minutos Mediação e conciliação são métodos de solução de conflitos não adversariais que expressam uma nova postura social ante o litígio. A ideia, com isso, é reaproximar as partes. E isso é feito por meio de um terceiro facilitador, eleito por elas ou indicado pelo magistrado. Tais métodos não adversariais são cada vez mais eficazes. Podem, inclusive, ser utilizados em todas as áreas do direito e da vida cotidiana. Neste post, por exemplo, vamos apresentar 15 situações sociais em que casos de mediação Continue lendo

Conciliação: método eficaz de negociação assistida para o advogado

Conciliação: método eficaz de negociação assistida para o advogado

7 minutos Como a conciliação ou negociação assistida podem auxiliar o advogado na resolução de conflitos pacífica e eficaz Consoante resta sabido, a conciliação é definida como uma negociação assistida por um terceiro. Nos casos em que haja dificuldade na comunicação, assim, o terceiro auxilia o diálogo entre os envolvidos através de técnicas e ferramentas adequadas para a solução da disputa. Entretanto, ainda há necessidade de compreensão e utilização de métodos adequados de solução de conflitos por meio da negociação. Focaremos, então, o presente Continue lendo

Audiência preliminar de mediação e conciliação – Opção ou obrigação?

Audiência preliminar de mediação e conciliação – Opção ou obrigação?

8 minutos Em proêmio, cumpre esclarecer que o presente artigo foi desenvolvido com o intuito de estimular no operador do direito a fazer uma reflexão acerca da oportunidade ou obrigatoriedade de optar ou não pelo procedimento da realização da audiência de conciliação ou mediação, haja vista os aspectos a seguir expostos: Acerca da legislação pertinente ao tema, a Lei 13.140/2015 – Lei da Mediação – ao tratar da realização da audiência de mediação, em seu artigo 27 assim dispõe: Art. 27. Se a petição Continue lendo

Advocacia, mediação e conciliação – As vantagens das práticas colaborativas

Advocacia, mediação e conciliação – As vantagens das práticas colaborativas

9 minutos Inicialmente, cumpre ressaltar que, a mediação e a conciliação vêm se desenvolvendo no Brasil de forma muito ampla, sendo instituídas pela Lei nº 13.105/2015, Novo CPC, bem como, pela Resolução nº 125/2010 do Conselho Nacional de Justiça – CNJ e Lei nº 13.140/2015, “Lei da Mediação”, apresentando-se como formas alternativas de resolução de conflitos, elaboradas com o fim de dar maior qualidade e satisfação às partes que delas se utilizam. Neste sentido, a Mediação se caracteriza como uma forma de solução de Continue lendo