Carreira jurídica – Advogar ou prestar concurso, como devo optar ?

Tempo de leitura: 6 minutos

A dúvida entre advogar e prestar concurso é constante no meio dos quase 100 mil bacharéis em Direito que se formam todos os anos nos 1.024 cursos que existem no país.

É comum encontrar recém-formados questionando profissionais mais experientes sobre as vantagens e desvantagens da carreira jurídica, seja em fóruns de discussão na internet, palestras e corredores das universidades. O blog do SAJ ADV falou com diferentes profissionais sobre as vantagens e desvantagens de advogar ou atuar no serviço público. Confira!

Flávia Guimarães ainda nem pensava em entrar para a faculdade de Direito quando os pais sugeriram que ela prestasse concurso para o quadro administrativo da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Lá permaneceu por onze anos, concluiu a graduação em Direito e nem sequer passou em sua cabeça fazer o exame da OAB. Ela queria mesmo a estabilidade do serviço público e, hoje, atua como técnico judiciário no Tribunal Regional do Trabalho de Santa Catarina. Ao contrário da servidora pública, Honorato Novo abandonou o cargo na Polícia Civil do Amazonas para advogar nas áreas do  Direito Penal, Civil e do Trabalho.

E quais são as maiores dificuldades?

Já Marcos Sena abriu um escritório de advocacia com dois amigos, mas ainda tem dúvidas que rumo seguir na carreira jurídica, se advoga ou presta concurso para delegado. Para ele, atrair clientes é uma das principais dificuldades dos jovens advogados. Paola Lorena concorda com Marcos, para ela quem escolhe a advocacia privada atua como um empreendedor. “Você precisa ter cliente e saber administrar. Também existe a questão de prazo que hoje em dia está um pouco melhor por conta do novo CPC, mas antes os prazos eram corridos e não havia interrupção no final de semana, então ficava muito complicado”, explicou Paola.

Você também está indeciso e não sabe qual ramo da carreira jurídica seguir? Então confira as informações sobre as diferentes possibilidades para os recém-formados que selecionamos neste post!

O que diz quem optou por atuar como advogado na carreira jurídica?

Marcelo Santos, do Santos e Silva Advogados Associados, foi enfático ao afirmar que escolher entre a carreira pública ou a advocacia privada é uma questão de perfil. “A decisão tem mais a ver com o que a pessoa gosta de fazer. Se ficar dividido entre os dois o recém-formado não vai sair do lugar. É preciso escolher um dos dois e se dedicar.” Para ele, advogar envolve liberdade, o profissional tem autonomia e pode trabalhar em causas que se identifique mais. Marcelo Santos explica ainda que “no começo da carreira, surgem processos menos interessantes, mas com o tempo o advogado pode escolher as causas que vai defender.” O advogado explicou que é comum que as pessoas pensem na estabilidade financeira que a carreira pública permite, na remuneração, mas não nas funções que serão desempenhadas.



carreira jurídica

Carreira jurídica e concursos públicos

A advocacia privada exige que o profissional se especialize em suas áreas de atuação, mas a carreira pública requer dos candidatos uma formação mais generalista. O curso de Direito abre diferentes possibilidades de concursos dentro da carreira jurídica: Tribunais, Polícias Militar, Civil e Federal, Procuradorias, exames para Magistratura, entre outros. A maioria das provas de admissão cobra conteúdo de diferentes disciplinas jurídicas e também conhecimentos gerais, português e raciocínio lógico. O que o candidato precisa fazer é se dedicar para essas provas, pois existem muito bacharéis em Direito almejando as vantagens da carreira pública, como por exemplo, a segurança, estabilidade e boa remuneração.

Paola Lorena é um exemplo de profissional que ao terminar a graduação não se sentiu preparada para advogar e começou a estudar para vários concursos que a carreira jurídica permite. Na época, almejava o cargo de juíza e assim que se formou, começou um curso na Escola de Magistratura de Santa Catarina (EMESC). O cronograma das aulas seguem as exigências da seleção: no primeiro ano focam na prova objetiva, no segundo na prova de sentença e no terceiro é quando o bacharel em direito faz a residência nos Tribunais.

E quais são as vantagens?

Para ela, uma das grandes vantagens da residência é o fato de o profissional trabalhar como espécie de estagiário de uma pós-graduação, pois ele já possui formação jurídica e vai desempenhar suas funções sem a pressão que existe nas atividades de um servidor ou assessor.  “Você vai aprender a fazer sentenças e a principal vantagem é que você pode tirar dúvidas. As pessoas têm mais paciência, pois sabem que você está ali para aprender.”

Além da possibilidade de seguir a carreira pública ou advogar, o profissional formado em Direto também pode atuar em empresas privadas como analista jurídico. Para conhecer mais sobre as várias oportunidades na carreira jurídica, preencha o formulário abaixo e receba nossas atualizações diretamente em sua caixa de entrada!

Ramos do Direito em ascensão

Seja qual for carreira escolhida, os ramos do direito possuem mercados com características próprias. Conheça abaixo a lista completa das áreas com maior destaque e oportunidades nos últimos tempos:

  • Advogado trabalhista;
  • Advogado especializado em recuperação judicial e de crédito;
  • Advogado especializado em compliance e ética;
  • Advogado tributarista;
  • Direito do Entretenimento
  • Direito Desportivo
  • Mediação e Arbitragem

Para acessar o conteúdo completo, basta clicar AQUI.

Aproveite também para baixar o ebook “Ramos do Direito – Quais estão em alta e quais estão em baixa?“, com os seguintes tópicos:

Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre o gestão de escritório de advocacia? Faça seu cadastro e receba os materiais exclusivos do SAJ ADV diretamente em seu email.

2 Comentários


  1. Excelente matéria, agora uma dúvida quem é formado em direito pode dar aula? e fazer concurso de nível médio e técnico?

    Responder

    1. Como o curso de Direito não habilita a dar aulas a nível médio e fundamental, somente a nível superior, é necessário ter uma pós-graduação (especialização, mestrado ou doutorado) para que o bacharel possa dar aulas. Quanto ao concurso de nível médio e técnico, não há nenhum impedimento, desde que cumpridos os requisitos do edital. Em geral, o bacharel que presta essa espécie de concurso recebe um adicional em função da qualificação conferida pelo diploma.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *