Inglês na advocacia – De diferencial para pré-requisito

Inglês na advocacia não deve ser mais encarado como um diferencial, mas como um requisito necessário para quem almeja uma carreira de advogado bem-sucedida em determinadas áreas, como Direito Comercial e Direito Internacional. Além disso, a língua inglesa é a referência para transações e cada vez mais cresce a demanda pela assessoria jurídica na análise de contratos e na representação de clientes em negociações e conciliações.

Por que é importante dominar o inglês na advocacia?

Empresas internacionais têm investido no país, a partir de fusões, aquisições ou parcerias com companhias brasileiras, o que demanda a necessidade de profissionais do Direito para auxiliá-los com os trâmites e entendimentos legais do Brasil. Esses advogados precisam ser claros em suas explicações, em inglês, para conseguir orientar a elaboração de cláusulas contratuais. Do outro lado, empresas brasileiras alargam suas atividades no mercado internacional e carecem de advogados que dominem o inglês em seus departamentos jurídicos ou nos escritórios de advocacia contratados.

O inglês na advocacia também é fundamental para que o profissional consiga atender estrangeiros que residem no Brasil e não dominam a língua portuguesa. Essas pessoas podem recorrer a um advogado para consultas ou até mesmo para ações judiciais como divórcios ou processos trabalhistas. Mesmo que a língua nativa desses clientes não seja o inglês, eles provavelmente terão mais facilidade em comunicar-se nesse idioma.

Dominar o inglês na advocacia lhe dará a oportunidade de ler e atualizar-se sobre a legislação de outros países sem ter que depender de traduções. Para ingressar em pós-graduações normalmente também é requisitado o conhecimento da língua. Ou seja, o inglês na advocacia é uma importante ferramenta para a constante capacitação do profissional.

inglês na advocacia

E como posso aprender?

Diante dessa realidade, o advogado deve reservar parte de seu tempo ao estudo da língua inglesa. Isso pode ser feito a partir de cursos regulares e aulas particulares. Algumas instituições também já oferecem cursos de inglês exclusivo a profissionais do ramo, mais focados na linguagem da área e com menor duração. Para aprimorar o domínio da língua também é sempre recomendado assistir a filmes legendados, ler livros, ouvir podcasts e conversar em inglês. Exercitar o vocabulário e a pronúncia nunca é demais.



Você já passou por ocasiões em que precisou usar o inglês na advocacia? Como se saiu? Compartilhe conosco nos comentários.

Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre inglês na advocacia? Faça seu cadastro e receba nossos materiais exclusivos diretamente em seu email.

1 comentário

  1. Avatar

    Tenho observado que o inglês está sendo um pré-requisito para a carreira. Estou tentando correr atrás desse diferencial. Até para estagiar está difícil arrumar uma oportunidade que não tenha inglês. Quando aparece sem, paga-se muito mal. Quando aparece com inglês, a exigência é a fluência, que não domino ainda.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *