Entrevista: os desafios da mulher advogada no Brasil

Tempo de leitura: 5 minutos

No Brasil, o número de mulheres advogadas é maior na faixa etária que vai dos 25 aos 40 anos e também no total de estagiários cadastrados no site da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Além disso, a OAB declarou 2016 como o ano da mulher advogada no Brasil. Para conhecer alguns desafios enfrentados pelas advogadas, falamos com a advogada Alessandra Minieri, do Minieri & Barreiros Advogados Associados, escritório de advocacia de Florianópolis, composto integralmente por mulheres.

Confira a entrevista abaixo

Embora o número de advogados (449.594 mil)  e advogadas (502.630) sejam muito próximos, o espaço na área do Direito ainda é dominado pelos homens. Você acredita que essa realidade da mulher advogada possa mudar nos próximos anos?

Claro que acredito. Existe um esforço coletivo e individual das mulheres em encontrar uma posição no mercado de trabalho, mantê-la e continuar progredindo em suas carreiras, na advocacia não é diferente. A mulher advogada vem se preparando muito para os desafios profissionais, em sua maioria, são comprometidas,  estudiosas, responsáveis e cuidadosas tanto no seu ambiente de trabalho quanto nos casos em que atuam junto aos seus clientes. Contudo, percebo que na advocacia, apesar de existir um grande número de mulheres atuantes,  ainda são poucas com perfil empreendedor para estabelecerem seus escritórios por conta própria. Hoje, percebemos no exercício profissional a predominância de advogados homens como sócios majoritários dos escritórios de advocacia e também ocupando cargos políticos de maior relevância em instituições de classe.

Como é trabalhar em um escritório composto 100% por advogadas associadas? A cartela de clientes contém mais homens ou mulheres?

É bastante desafiante e inspirador, no dia a dia somos muito participativas e dividimos nossos desafios profissionais com o grupo, acredito que por sermos todas mulheres existe uma facilidade de compreender o ritmo de vida diferenciada de cada uma, todas fazem jornada de trabalho dupla, as vezes tripla. É preciso encontrar tempo para estudar e se especializar, dar atenção a família, aos filhos, exercer a advocacia e ainda cuidar de si mesma. É muito comum as pessoas brincarem que num ambiente composto por mulheres as fofocas e as competições existem, mas não é isso que vejo na realidade do escritório: existe humildade, sensibilidade e um sentido de cooperação muito forte, que se bem cultivado por todas, geram ótimos frutos e um ambiente harmonioso para trabalharmos.

Em nosso escritório, 80% de nossos dos clientes são empresários homens, contudo é recorrente aos empresários terem como figura de seu “braço direito” uma mulher, essas atuam como gestoras e administradoras de empresas, enquanto o empresário está focado mais na área comercial e nas estratégias de mercado. Acredito que as mulheres devem ser mais estimuladas a acessar seu espírito empreendedor e buscar autonomia e espaço para suas empresas e escritórios.

A OAB declarou 2016 como o ano da mulher advogada no Brasil. Você acredita que esse tipo de plano de valorização aumenta de fato a participação feminina nos vários ramos do Direito?

A OAB vem fazendo um trabalho sério no sentido de melhorar as condições de trabalho da mulher advogada por meio de suas comissões especializadas e suas seccionais ao buscar um tratamento diferenciado às mulheres gestantes, lactantes e para aquelas que optam pela adoção. A Ordem vem trabalhando ainda na campanha contra a violência doméstica e de qualquer outra natureza, na melhoria dos honorários e remunerações mais dignas para as mulheres, uma vez que essas distinções ainda acontecem com a mulher advogada no mercado de trabalho.



Quais são as principais dificuldades enfrentadas pela mulher advogada no Brasil?

O mundo dos negócios ainda é dominado fortemente pelos homens, uma das dificuldades que a mulher enfrenta é ter que se provar sempre, o ambiente masculino é bastante conservador e é muito comum sermos testadas, inclusive no sentido de suportarmos algumas pressões profissionais e situações de stress. Além disso, infelizmente ainda é muito comum as mulheres ouvirem brincadeirinhas sobre sua aparência, cantadas, passarem por situações constrangedoras  e de assédio. Somos obrigadas a nos impor duplamente. Infelizmente muitos homens  ainda acreditam que a competência está embalada no terno e gravata.



banner software jurídico

Existe alguma conquista importante da mulher advogada que você gostaria de destacar?

Acredito que ao longo desses anos da história muitas foram as conquistas importantes das advogadas no país, mas os números falam por si. Hoje as mulheres são maioria no exercício da advocacia e estão galgando seu lugar ao sol com muito entusiasmo, ocupando espaço no ambiente acadêmico, empresarial e no serviço público. São muitas mulheres em posição de destaque em suas profissões e atuando em áreas da advocacia que eram predominantemente masculinas, como direito tributário, penal, administrativo e eleitoral e isso é um dos grande avanços.

Todas essas iniciativas para fortalecer a figura da mulher advogada são válidas e acredito que as conquistas e a isonomia no tratamento chegarão por meio das novas gerações, que já crescem em uma sociedade menos preconceituosa e assistem os esforços de suas mães e avós para buscarem a independência e sucesso profissional, superando esses percalços sociais.

Quer ficar por dentro de todas as novidades do mercado jurídico? Faça seu cadastro e receba nossos materiais exclusivos diretamente em seu email.

8 Comentários

  1. Avatar

    Obrigada pelo artigo, realmente muito valido e incentivador. Nos mulheres precisamos nos positivar no mercado juridico e so assim mostramos nossa total competencia.

    Responder
    1. Avatar

      Obrigado Carla!

      Nós do SAJ ADV acreditamos na igualdade de gêneros e trabalhamos para que isso seja uma realidade alcançada o quanto antes.

      Obrigado pelo comentário.

      Responder
      1. Avatar

        Muito boa a iniciativa de vocês de realizarem uma entrevista com essa. Adorei! É um incentivo e tanto para nós mulheres e ainda mais pra mim que estou afastada da profissão cuidando dos filhos.

        Responder
        1. Avatar

          Olá Fernanda, bom dia!

          Obrigado pelo comentário, trabalhamos para sempre trazer o melhor conteúdo para os profissionais da advocacia.

          Conte sempre com a nossa equipe.

          Responder
  2. Avatar

    Mulher, advogada e negra, um conjunto de obstáculos que devem ser vencidos num país hiprocrita e preconceituoso como o Brasil.
    Sempre que levo meu curriculum a qualquer escritório eles me olham de cima para baixo com um certo descaso. Por isso desisti de procurar trabalho com os outros, vou vivendo com os clientes que resolvem me procurar.

    Responder
    1. Avatar

      Olá Karine, bom dia!

      Sabemos dos atuais problemas da nossa sociedade, mas lutamos para que a sociedade seja cada vez mais justa e igualitária. Sucesso no seu trabalho sempre!

      Obrigado por seu comentário.

      Responder
    2. Avatar

      Karine, Nunca desista! Lute que vc vai conseguir.
      Um vez fui levar meu curriculum em um grande escritório, o advogado perguntou de quem eu era filha, eu respondi que era filha de um agricultor, ele simplesmente de dispensou. Se eu fosse filha de um desembargador ele teria me dado a vaga. aaafff Hoje tenho meu próprio escritório e trabalho sozinha e feliz da vida.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *