Como e para que você precisa reinventar sua advocacia?

Advocacia é o ramo do mercado jurídico em que se inserem e atuam os advogados e advogadas, bacharéis em Direito registrados nos quadros da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e indispensáveis à administração da Justiça.

Como se reinventar na advocacia e por que isso é importante?

O mercado jurídico atual é muito dinâmico, afinal trata-se de um ponto incontroverso. Demanda dos advogados habilidades que não aprendemos na universalidade e tampouco nos estágios da faculdade. Se você estagiou num escritório de advocacia, talvez tenha tido, assim, a oportunidade de aprender um pouco da dinamicidade dessa carreira jurídica. Percebe-se então que a área da advocacia tem exigido cada vez mais profissionais atentos às mudanças sociais, políticas e à conjuntura econômica. São fatos e situações que mudam muito a forma com que atuamos na sociedade – e cada local ainda guarda suas peculiaridades.

Diante dessa realidade, há que se levar em conta que temos hoje no Brasil mais de 1.200.000 advogados, conforme dados do Conselho Federal da OAB. Com toda a certeza, há uma oferta imensa de profissionais na advocacia, e sem dúvidas precisamos repensá-la. Dessa forma, para reinventar nossa advocacia, temos que vencer qualquer tipo de desafio, pessoal ou profissional, no sentido de buscar sempre inovação no meio jurídico.

Como vencer as crenças e preconceitos dentro da própria advocacia

É desafiador, contudo, superar as crenças arraigadas construídas em bases sólidas a partir do que ouvimos de várias pessoas. São diversos tipos de suposições, desde que é uma profissão difícil, mal remunerada, com profissionais desonestos e, sobretudo, que defendem bandidos. São muitas imagens negativas guardadas, enfim, no nosso subconsciente que, infelizmente, direcionam de maneira errada nossos caminhos e, por conta disso, causam frustrações.

Do mesmo modo que as crenças afetam nossa realidade, ainda assim há que se mensurar os fatores externos, ou seja, as mudanças constantes da jurisprudência brasileira. Tais mudanças são um descrédito no Poder Judiciário e geram inconstância política. Hoje, é marcada por grande polaridade, uma retração de demandas que sempre foram muito rentáveis como, por exemplo, as trabalhistas e previdenciárias. Dessa forma geram uma série de transformações jurídicas aceleradas demais e, por conta disso, difíceis de serem acompanhadas.

reinventar-se na advocacia

Todas essas circunstâncias nos afetam profundamente, já que falta o olhar mais estratégico, a habilidade de perceber e antecipar para onde as coisas se encaminham. O movimento que se delineia ao nosso redor, de transformações, ocupa-nos demais com redes sociais e informações irrelevantes, de baixa qualidade. Assim, é deixada em segundo lugar a importância de analisarmos o cenário micro e macro do país em que vivemos, e inegavelmente sentimos ter feito a escolha errada seguindo a carreira da advocacia.

É verdade que alguns profissionais podem ter feito a escolha errada, quando ainda jovens. Alguns não souberam analisar sua vocação, se era efetivamente seguir uma carreira jurídica, ainda mais a advocacia. No entanto, pode ser que você tenha vocação, mas esteja imerso num mar de dúvidas e sensações de impotência que parecem não ter fim. Na verdade esses sentimentos são ciclos e precisam acontecer para que desperte uma capacidade de se reinventar, isto é, de transformar a realidade para melhor.



A motivação como fonte para reinvenção

Com certeza, há muita demanda aí fora para você, advogado. Não tenha dúvida disso! Olhe para você, primeiro, silencie as vozes das críticas e das crenças que minam sua energia e o desafiam a se manter estagnado e depressivo, e veja além, pergunte-se imediatamente: qual habilidade e talento meu que não utilizei na advocacia? Será que a advocacia, a área de atuação na qual trabalho agora é realmente a que sou vocacionada (o), ou de fato apenas tenho preguiça e medo de abraçar a área de que realmente gosto? Quais são os pontos da minha personalidade que preciso agora mesmo melhorar? Estou procrastinando uma especialização, um curso? Estou sendo impontual nos meus compromissos? Como tenho tratado meus clientes antigos? O que tenho feito para atrair uma nova clientela?

São muitas perguntas que fazemos quando estamos nesses ciclos de estagnação e frustração, que vêm normalmente logo depois de um período razoável de zona de conforto. Ou seja, depois que ganhamos honorários bons, temos clientes fixos e os processos tramitam com certa celeridade, entramos na tão sonhada zona de conforto, tão boa quanto perigosa.

Evidente que precisamos disso e merecemos, até certo ponto. Embora, muito cômoda, ela pode retirar de nós a energia e a motivação para conquistar novos horizontes.

Dessa forma, percebemos que essa reinvenção da advocacia começa na transformação de nós mesmos, para depois transformarmos a realidade lá fora.

Só precisamos encontrar motivação. Motivação para seguir adiante, para viver nossa profissão, sem pensar largá-la diante das primeiras, segundas ou terceiras dificuldades. Elas sempre vão existir.

Portanto, temos que desenvolver a resiliência, importante característica da personalidade na atualidade. É necessário para olhar para o ciclo ruim, após a zona de conforto e não se desesperar. Estudar, analisar e criticar positivamente nossa atuação é o pontapé inicial para o processo de reinvenção.

O que deixar de lado para reinventar sua advocacia

Um dos aspectos importantes sobre a reinvenção é entender o que já não serve mais na sua profissão e o que já não atrai mais cliente. Antes de tudo, é preciso entender que o mundo é digital. Por isso, devemos nos aprofundar nas ferramentas que podem aperfeiçoar e modernizar a advocacia. Não adianta resistir aos avanços da tecnologia! Invista em bons recursos de sistema e operacionalização de suas demandas, processos, e de seus clientes, a fim de gerar uma organização do escritório, mais efetividade na comunicação com o cliente, diferenciando-se da maioria que sequer retorna uma ligação para seu cliente.

E por último, a reinvenção passa também pela performance na advocacia. Melhore seu currículo, agregue habilidades em diferentes áreas, o que é muito necessário para quem advoga na área de família, por exemplo. Enfim, crie uma reputação que o diferencie no mercado jurídico.

Reinvente-se na área da advocacia e prepare-se para os resultados positivos que você colherá!

Quer ficar por dentro de tudo sobre Carreira Jurídica? Faça abaixo seu cadastro e receba os materiais do SAJ ADV em seu email.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *